um beijo para gabriela

UN BESO PARA GABRIELA EN ARGENTINA!

Publicado em by admin Publicado em papos da gabi, Uncategorized |

Estamos muy contentas que UN BESO PARA GABRIELA fue seleccionada para el Festival Internacional de Cine por La Equidad de Genero en Buenos Aires! El documentario hace parte de la Competición Oficial y sera exhibido sábado, dia 11/05 a las 17h!

Es la primera vez que la película sera mostrada en America Latina fuera de Brasil. Que emoción!

logo_mef

Besos para Kansas, New York y Arizona!

Publicado em by admin Publicado em papos da gabi, Uncategorized |

 

A Kiss for Gabriela at the Arizona International Film Festival.

 

A KISS FOR GABRIELA is just back from an amazing three week tour in the United States for the film première and a series of fantastic screenings and discussions with activists, students, academics, and filmmakers that ended with a grand finale with seeing the name of the film on the Tucson, Arizona screening room’s famous marquee.

The trip started at the Kansas City FilmFest in Kansas City, MO, where it was part of the national and international short docs, and the director’s family was able to be present (Laura is also from Kansas!) and sent kisses to Gabriela.

We then continued to New York City, for a week of amazing university screenings at The New School for Social Research, Queens College, CUNY Law School, Princeton University, and finally Columbia University. Screenings featured journalist and Gabriela’s husband, Flavio Lenz from Brazil, director Laura Murray, and panels with researchers on gender and politics and activists from SWOP-NYC. Discussions about challenges faced by sex workers in the United States, activism in the country to advance sex workers rights, the political system in Brazil, the current conservative political climate in Brazil, connections between the women’s rights movement and the sex worker movement, and, of course, how Flavio and Gabriela first met made for a fun, informative and inspiring week. At Columbia, students and professors even took a moment to send birthday wishes to Gabriela, whose birthday was on April 22nd:


YouTube

uniondocs screening

The week in New York culimated with the amazing event, “A Kiss for Sex Workers Rights”, hosted by NYC sex worker rights organizations SWOP-NYC and SWANK.  Other films featured included SCARLET ROAD, ADVOCATING IN ALBANY and WHORE LOGIC. The panel after  was moderated by Penelope and featured Flavio, Laura, the Incredible, Edible, Akynos (whose kick ass open letter is posted on this blog!), Audacia Ray from the RedUp team who shared about how to pressure Albany for the rights of sex workers. A full house, engaged audience,  and awesome space combined with stellar films and panelists made for one of the week’s best events!

After the screening, SWOP activists Brittany Wollman Love and Akynos sent a very special kiss to Gabriela:


YouTube

A Kiss for Gabriela_AIFF window

The following week, the film had its second US premiere in Tucson, Arizona, at the Arizona International Film Festival – a fantastic festival, with amazing films from all over the world. A KISS FOR GABRIELA was shown alongside another campaign film, MR CAO GOES TO WASHINGTON about the first Vietnamese American to be elected to US congress.

We were honored to have close family and prison abolitionists from The Arizona Prison Watch, who made the nearly three hour drive down to see the film, present! All joined in after to send a kiss for Gabriela under the marquee:


YouTube 95%

Thank you to all who attended the sessions for the inspiration! Keep the kisses coming and we’ll do the same!!!

ESTREIAS DE UM BEIJO PARA GABRIELA NOS ESTADOS UNIDOS EM ABRIL!

Publicado em by admin Publicado em papos da gabi, Uncategorized |

 

Estamos muito felizes de poder divulgar as estreias de UM BEIJO PARA GABRIELA  nos EUA este mes. Confere os dias, horarios e locais dos diversos eventos programados para abril este:

Estreias em festivais! 

Kansas City FilmFest 10, 11, e 13 de abril em Kansas City, Missouri. Clic aqui para horarios e ingressos!

Arizona International Film Festival, 24 de abril em Tuscon, Arizona. Clic aqui para horarios e ingressos!

Premiere em Nova Iorque no evento  “A Kiss for Sex Workers Rights” no Uniondocs em Brooklyn, NYC, 20 de abril as 19:00h.

Eventos em universidades de Nova Iorque durante a semana do 15-20 de abril

segunda-feira, 15/04:  The New School for Social Research, Apoiado pelo Global Studies Program
endereço: Hirshon Suite, 55 W. 13th St.,
2nd Floor
hora: 6:30 PM
filme e discussão com Laura Murray (Directora), Flavio Lenz (Davida), Mariana Assis (New School) and Kate D’Adamo (SWOP/SWANK – NYC)

terça -feira, 16/04 –  Queens College, Apoaido pelo QC Latin American & Latino Studies Program
endereço: Powdermaker 114
horario: 12- 1:30 PM
filme e discussão com Laura e Flavio

terça, 16/04: International Law Society and International Women’s Human Rights – City University of New York
horario: 4-5:30 PM
local: Cuny Law, Rm 3/301
filme e discussão com Laura e Flavio e Penelope Saunders (SWOP/SWANK)

quarta-feira, 04/17: Princeton University, apoiado pelos departamentos de Comparative Literature e Spanish and Portuguese
local: Princeton Art Museum, McCormick 106
horario: 7pm
filme e discussão com Laura e Flavio

quinta-feira, 18/04: Columbia University, Apoiado pelo Institute for Research on Women, Gender, and
Sexuality,  Columbia University’s Sexuality, Gender, Health, e Human Rights University Seminar; o Department of Sociomedical Sciences’ Pre-doctoral Training Program in Gender,
Sexuality, and Health; e o Barnard Center for Research on Women.
endereço: 504 Diana Center, Barnard College.
horario: 6:00 pm- 7:30PM
filme e discussão com Laura, Flavio, Carole Vance, PhD. (Columbia University), Penelope Saunders, PhD. (SWOP/SWANK)

Estreia em Argentina em maio!

Mujeres en Foco Festival Internacional de Cine por la Equidade de Genero, 5-11 de maio, Buenos Aires, Argentina

We Are Dancers: Exotic dancers’ grassroots organizing

Publicado em by admin Publicado em Uncategorized |

The history of activism for the rights of exotic dancers in the United States is rich, complex and powerful. Dancers have organized, via groups such as the Exotic Dancers’ Alliance, challenging exploitative “stage fees” imposed by club management and their misclassification as “independent contractors” by employers wishing to avoid paying work-related benefits. The documentary Live Nude Girls Unite chronicled some of these organizing efforts and is an essential part of the sex worker rights film canon. Exotic dancing, unlike many other kinds of sex work in the US, is for the most part legal in most states. Consequently, dancers have had greater success via the courts in terms of defending their rights.

However, despite the positive outcome of a recent lawsuit, dancers know that clubs still find ways to extract extra profit from them and may resist their efforts to organize for their rights. Support from organized labor groups has been tepid. Dancing is a legal form of service work but only one US union represents dancers. Gendered, racialized and prejudicial stereotyping of dancers diminishes public understanding of the real issues faced by these workers that go far beyond stage fees (even though this concern is clearly important).

An all volunteer collective called We Are Dancers has embarked on a series of steps in NYC to build community and share information as part of a comprehensive strategy to address these concerns. We Are Dancers has already created a website and hopes, if their Indiegogo fundraiser is successful, to translate “know your rights” booklets into Spanish, Portuguese and Russian and distribute this material widely. A key organizer with the project, former dancer Rachel Aimee, explains on her blog that “it’s obvious that there’s no simple solution to the question of how to secure labor rights for dancers. That’s why We Are Dancers is taking the approach of creating and distributing resources by and for dancers. Our goal is to provide information and support to empower dancers to make their own decisions about whether and how to take action against labor violations in strip clubs. And, if we can raise the $5000 we need to complete our outreach project, we will be able to make these resources available to hundreds—if not thousands—of dancers across the city.” The We Are Dancers online fundraising campaign is currently open and the perks available could make ideal gifts for all the folks in your life who support labor-rights, progressive causes, and/or strong, community-organizers in high heels.

For more information about organizing by and for dancers in the US and beyond visit Bayswan’s archive, read the November 2012 article by Melissa Grant Gira in The Altantic and Rachel Aimee’s blog.

The World’s Oldest Debate: Gabriela talks with lawyers, lawmakers and activists about legislative proposals to change prostitution related laws in Brazil

Publicado em by admin Publicado em Uncategorized |

“Everyone has a right to be a protagonist…I’ve been talking about prostitution for 30 years, and then I arrive here and have to hear these things, it’s screwed up, isn’t? I listen to Alana say that politicized prostitutes “are something else”. We can’t even be politicized! Poor politicized whores cannot exist. I talked, and I felt like I was invisible.” – Gabriela Leite

“Prostitution is not a crime, but it is not free.” – Maira Fernandes

These quotes are from an event on November 7th, in which Gabriela participated in a debate at the Brazilian Lawyer’s Organization (OAB in Portuguese) regarding the current proposal before Brazil’s senate to take out all criminal laws referent to adult prostitution. The proposal forms part of a larger reform of Brazil’s penal code proposed by a group of congressionally appointed attorneys to Brazil’s senate in August of 2012.

Sex work is a recognized profession in the Ministry of Labor’s “Brazilian Occupational Categories” (CBO) and the sale of sex for money is not illegal, however prostitution businesses and making money off prostitution (i.e. pimping) is illegal, making it incredibly difficult for sex workers to organize for labor rights, work in cooperatives with others, access to necessary health and legal information/supplies and impossible to regulate and guarantee decent working conditions.

The debate included Federal Deputy, Jean Wyllys (PSOL), who recently presented a law named in honor of Gabriela to clarify the legal distinction between “sexual exploitation” and “prostitution” and legalize prostitution businesses as a way to protect and promote sex workers’ labor rights and reduce the sexual exploitation of women and minors. Jean Wyllys is also known for defending LGBT rights and the decriminalization of abortion and marijuana. When he presented, emphasized that his “fight for the rights of homossexuals is completely aligned with fights for individual rights and broader human rights”. He continued that this is, “part of why I am for this issue, and also because when Gabriela and I were candidates (in 2010), I ran into Gabriela in a debate,and said, “If I wasn’t a candidate, I would vote for you.” And I told her that if I was elected, I would assume this battle, this fight.”

The table was presided over by Margarida Pressburger, an attorney and President of the OAB’s Human Rights Comission and moderated by Sonia Correa, a member of the OAB and Co-Coordinator of Sexuality Policy Watch, Maira Fernandes, the President of the Penitentiary Council of the State of Rio de Janeiro, and Rubens Casara, a judge and Vice-president of the Permanent Forum on Human Rights from the EMERJ. Earlier this year, Judge Casara made the news when he defended prostitutes’ rights to chose their profession and legally work when he absolved two owners of prostitution businesses being accused of sexual exploitation stating that the Public Ministries’ decision was part of a larger, repressive political effort against prostitution as part of preparation for the World Cup and Olympic games. On the other end of the spectrum, was Alana Moraes, an anthropologist from the Federal University of Rio de Janeiro representing the feminist organization, Marcha Mundial das Mulheres

The majority of the panel was in favor of the changes proposed to completely decriminalize prostitution, except for the representative from the Marcha Mundial das Mulheres. Judge Casara also made an important distinction between his support for the complete decriminalization of prostitution and his views regarding the proposal as a whole. He believes that the reforms of the penal code in their entirety will “irrationally expand” the number of people arrested and jailed in Brazil. He argued that more progressive issues like those related to prostitution and abortion deviate attention away from authoritarian measures that use incarceration to address social problems, resulting in what he termed as, the “criminalization of poverty”.

Alana Moraes from the Marcha Mundial das Mulheres, on the other hand, argued that prostitution is a social problem that should not be completely decriminalized or regulated. The Marcha condemns prostitution as male domination of the female body, and conceptualizes sex work as a product of poverty and inequality, creating a situation in which choice, autonomy and agency are not possible. The viewpoint expressed is one in which female pleasure and desire is largely absent and male power is omnipresent. While the State is seen as ineffective, data from the police and mass media were cited as reliable sources of information and “proof” of exploitation. The voices of sex workers themselves, however, and the sex worker movement in Brazil specifically, was discredited and ignored.

Gabriela’s quote at the beginning of this post is a reaction to this erasure. As Jean Wyllys defended, Gabriela is a “proletariat prostitute”, who worked in prostitution areas frequented by the working class. The prostitute movement in Brazil was founded by, and continues to be made up of, women who represent sex workers who work on the streets and establishments for popular classes, yet their voices continue to be ignored by the abolitionist movement in Brazil. The anti-prostitution debate in Brazil has echoes of those around the world in which sex workers voices are silenced, and years of political activism are discounted under the guise of a defense of women’s rights and autonomy – that simultaneously rejects the right of a woman to use her body for pleasure. As Maira Fernandes noted, in response to the argument that prostitution is exploitation of the female body, the Marcha das Mulheres discounts that in the capitalist system, all use their body to earn wages. She cited Marta Nussbaum’s famous article that discusses the ways in which all people use their bodies for work, and how the stigma related to prostitution may be more related to class prejudice and stereotypes than anything else.

Carole Vance noted amidst the “sex wars” in the 1980s in the United States that, “the most important sexual organ is between the ears”. In this case, we all sell, rent, and exploit our most important sexual organ daily. Returning to think about what sex is, where sexual fantasies are created, how sexual desire is constructed, and what truly is sold in prostitution is critical to re- routing the debates from moral issues and dichotomous ways of thinking (men vs. women; autonomous vs. enslaved; proletariat vs. bourgeois; savior vs. victims, etc.).

We all perhaps need to use our most important sexual organs a little bit more.

The illegality of prostitution businesses and pimping (which is broadly interpreted as anyone making money off prostitution) have maintained prostitution in a marginal and criminal space in Brazil. The human rights lawyers and judge on the panel conferred that this makes defending sex workers’ human rights extremely difficult. Jean Wyllys, for example explained that he decided to take up the cause of sex workers’ rights because as a gay man, he has felt the effects of stigma, and knows what it is like to be discriminated against. The negative effects of criminalization in terms of sex workers human rights, and health has been documented in various studies and international documents, including UNAIDS Guidance on Sex Work and the international commission HIV & the Law, and numerous papers published by the Network on Sex Work Projects. Yet as Sonia Correa noted, many of these international documents have not been translated into Portuguese, and therefore, are not cited or referenced by government policy makers.

The question thus remains – if sex worker movements around the world, internationally appointed committees of people considered legal and health experts, and feminist scholars agree that decriminalization is necessary to guarantee and promote sex worker rights, why do some feminist organizations continue to be against full decriminalization? What does it mean that abolitionists place more trust in the legal system and police – one of the most patriarchal and hierarchical social systems – than movements led by female sex workers?

In closing, Sonia Correa continued in the Marxist spirit of the debate and cited Friedrich Engels’ in the classic text, “The Origin of the Family, Private Property and the State,” in which he states that the only thing that explains the condemnation of prostitution are bourgeois values and religious morality. In this case, abolitionists might consider that in addition to the police, they are also aligning themselves with the bourgeois and religious institutions (as also noted by Columbia Sociologist Elizabeth Bernstein).

Gabriela followed, citing Lenin while defending her use of a Prada hat bought for her by a close friend in a Sao Paulo from a second hand store stating, “From the bourgeois we should take only their elegance and good taste”.

For everything else, we should look to those who are truly the experts of their own lives and experiences – in this case, sex workers themselves.

Gabriela in the event:


YouTube


YouTube


YouTube

E-mail enviado à Direção do Departamento Nacional de DST/AIDS e Hepatites Virais

Publicado em by admin Publicado em papos da gabi, Uncategorized |

Algumas poucas considerações sobre Prostituição, Aids e Vida

Hoje (30.10.2012) assisti pela internet a reunião ampliada do Departamento de Aids e Hepatites Virais. Avisei as minhas companheiras da Rede Brasileira de Prostitutas da importância em participar da reunião e colocar algumas das nossas posições. Maria de Lourdes Barreto foi brilhante nas duas colocações que fez e reflete com todas as letras o que pensamos a respeito da atual resposta brasileira.

Fico triste, e a reunião confirmou minha tristeza que desde o congresso de prevenção me acompanha, porque sinto um retrocesso imenso a tal ponto que ninguém mais sequer mede as palavras para falar em “grupo de risco”. Agora nem o politicamente correto (que não gosto) nos salva: a equação puta=grupo de risco é um fato para os técnicos epidemiologistas de plantão.

Mas paro aqui de chorar as mágoas e de ter saudades dos tempos modernos que vivemos nos anos 1990 quando, de fato, construímos uma resposta brasileira. Quero colocar 3 questões sobre prostituição e aids.

1) Pesquisa RDS

Acompanhei a pesquisa desde sua elaboração até a apresentação final. Eu e Roberto Chateubriand funcionamos como uma espécie de consultores do movimento de prostitutas. Sempre falei e repeti para a Célia Landmann e sua equipe que nossa amostra, apesar de contemplar 10 cidades não era assim tão representativa já que somente iria trabalhar com um certo grupo de prostitutas: as prostitutas do baixo meretrício e muitas vezes de zonas confinadas. Ora, a indústria do sexo é de uma grande complexidade. Convive-se com a alta, média e baixa prostituição. Convive-se com boates, saunas, prédios inteiros com apartamentos com várias especializações (sado-masoquismo, fantasias sexuais várias, etc.). Convive-se com sites na internet e inclusive dizem alguns estudos que a indústria do sexo é hoje a terceira fonte de recursos da internet.
A indústria do sexo é grande, complexa e diferenciada. O problema é uma antiga lenda criada pela igreja católica e reafirmada pelas feministas: prostitutas são mulheres pobres que por falta de oportunidades e para poder criar seus filhinhos “caíram” na prostituição. Para referendar essa pretensa verdade todos os que vão trabalhar com a prostituição, procuram as prostitutas do baixo meretrício. Além de ser uma população bastante fácil de ser acessada (ao contrário do que se fala), seu depoimento, respostas e perfil econômico/cultural/social são exatamente aquilo que os pesquisadores querem ouvir. Muito recentemente, alguns pesquisadores jovens antropólogos vem se aventurando no universo de uma prostituição que eu diria mais estruturada. Dois trabalhos muito interessantes foram apresentados no último congresso da ABA (Associação Brasileira de Antropologia).
Os 4,9% de prevalência (Gerson Pereira errou quando disse hoje 5,9%) diz respeito a um subgrupo da prostituição. Não representa a complexidade da prostituição e neste sentido faço a pergunta: que olhar é esse que só vê um certo subgrupo de mulheres prostitutas?

2) Educação pelos pares

A primeira vez que fui a uma reunião no antigo Programa de Aids foi em 1989. Dra. Lair Guerra de Macedo era a diretora do Programa e ali começamos a pensar o desenvolvimento de um projeto a partir da educação pelos pares. Eu já tinha lido a respeito e, a época, simpatizei com a metodologia. Daí surgiu o projeto Previna e começamos em áreas de prostituição de todo país a desenvolver a metodologia da educação pelos pares.

O que me espanta é que até hoje, passados tantos anos, não tivemos nenhuma avaliação sobre a eficácia ou não de tal metodologia. Estudos e estudos foram realizados em outros países. Aqui, em terras brasilis, nada! Pode ser que para algumas populações a metodologia seja eficaz, pode ser que para outras seja ineficaz. Tudo depende da cultura específica, da existência ou não de estigma, de classe social, etc., etc., Todo caso, não sabemos de nada. Me parece que a educação pelos pares é um dogma que jamais poderá ser mexido.

3) Consulta nacional e consulta latino-americana sobre prostituição.

No decorrer desses anos foram realizadas duas amplas consultas, ambas por iniciativa do Departamento de Aids brasileiro ( à época Programa de DST/AIDS). Uma em Lima, Peru e a brasileira em Brasília. As duas foram altamente representativas com a presença de mulheres prostitutas, travestis que trabalham na prostituição e michês. Na brasileira estavam presentes a Rede Brasileira de prostitutas (que pertenço) de orientação trabalhista e da livre expressão sexual e a Federação de Mulheres Prostituídas de orientação abolicionista. Travestis que defendiam o trabalho sexual e travestis que deploravam o trabalho sexual. Como podem ver ampla representatividade de onde saíram recomendações (mais de 50) que privilegiavam direitos humanos, cidadania, trabalho, profissionalização em outras áreas, etc. Todos (convergentes e divergentes) concordaram naquela consulta que as questões ditas transversais eram fundamentais para a prevenção das DST/AIDS.

Relatório das consultas com as recomendações: provavelmente esquecidas em alguma gaveta ou arquivo do Departamento. Com toda certeza totalmente esquecidas. Gastou-se dinheiro e tempo. O caminho da complexidade da prostituição e aids é longo. Nós, ativistas, da Rede Brasileira de Prostitutas e do Movimento Aids trabalhamos e nos esforçamos para hoje, passados tantos anos ser o que sempre fomos para a epidemiologia: grupo de risco. Nada mais!

Diante do exposto, proponho uma grande reunião somente para estruturar um amplo planejamento de avaliação e ação no campo da prostituição. Apesar de estar tratando de um câncer, me sinto forte o suficiente para contribuir nesse processo.

Termino essa nota agradecendo ao Instituto Nacional do Câncer e aos seus profissionais que cuidam de mim e de tantas outras pessoas e que mostra com todas as letras que o ótimo funcionamento do SUS é possível desde que exista vontade política e gestão eficiente. Me sinto orgulhosa e plena cidadã em cada consulta que compareço nesse Centro de Excelência.
Gabriela Leite

Políticas de prevenção para prostitutas desconsideram direitos e cidadania: Movimento social propõe ao Estado retomar diálogo e ações históricas

Publicado em by admin Publicado em papos da gabi, Uncategorized |

Materia publicada no jornal, “Beijo da Rua” , por Flavio Lenz (www.beijodarua.com.br)
31/8/2012

Discriminação, estigma, vitimização, criminalização e outras violações de direitos humanos, como violência, são os maiores causadores das vulnerabilidades de prostitutas e demais profissionais do sexo. No entanto, essas questões deixaram de ser consideradas até mesmo em políticas de prevenção de DST e Aids, as únicas voltadas para a prostituição.

Esta foi a principal conclusão da Conversa Afiada “Prostituição, direitos e enfrentamento de vulnerabilidades no contexto da América Latina”, nesta quinta-feira, durante o macro-evento brasileiro, latino-americano e caribenho sobre HIV/Aids que se realiza no Anhembi, em São Paulo (http://sistemas.aids.gov.br/congressoprevencao/2012/).

Para Gabriela Leite, fundadora da Rede Brasileira de Prostitutas, da ONG Davida e da grife Daspu, a saúde pública voltou a ver a prostituta “apenas como um corpo, e da cintura para baixo”. Ela lembrou que movimento social e o setor de Aids do governo federal começaram a discutir, conceber e executar políticas de prevenção para prostitutas no fim dos anos 1980, e destacou a campanha Sem Vergonha, garota. Você tem profissão, de 2002, que “tratava diretamente de questões de direitos humanos”. Com o tempo, porém, até “a reprodução desses folhetos sumiu do site da Aids”, demonstrando, para Gabriela, que é preciso uma “renovação do diálogo” entre o movimento de prostitutas e o atual Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais.

“Chegamos à conclusão de que estamos confinadas na saúde, outra vez associadas a doenças, como no século XIX – tem também a Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), mas é só isso. Não estamos na Secretaria de Direitos Humanos, na de Políticas para Mulheres, no Ministério da Cultura, e a justificativa é sempre que já estamos na Aids”, disse Gabriela. “Por isso, as organizações da Rede Brasileira decidiram levar essa discussão para a sociedade e não mais se candidatar a editais nacionais de Aids, enquanto não renovarmos o diálogo. Nunca houve, por exemplo, uma análise da metodologia de educação pelos pares, que vem desde 1989”.

Gabriela encerrou sua intervenção reafirmando que “não dá para trabalhar Aids sem considerar direitos humanos, sem considerar o que o Senado e a Câmara estão discutindo sobre nós, ou sem discutir saúde da mulher. Não queremos consultórios na rua, mas promoção do acesso ao SUS, como qualquer outra pessoa. Chega de ser tratada como um caso à parte”.

A pesquisadora Ilana Mountian, da USP, que desenvolve estudos sobre travestis e transexuais que trabalham na prostituição, no Núcleo de Direitos Humanos e Cidadania LGBT da UFMG, em Belo Horizonte, destacou a transfobia entre as vulnerabilidades desse segmento. “Vivem questões como a violênca transfóbica e um relacionamento muito complexo com a polícia, e têm que fazer acordos para viver nas comunidades”. Outra vulnerabilidade é o uso do crack “por algumas delas”. Com relação a preservativos, disse que recebem das donas de casa e não vão aos postos de saúde para isso.

Ilana ressaltou ainda a importância de parcerias entre movimento social e academia, afirmando que há “pouca pesquisa sobre a população de travestis e transexuais prostitutas”.

Representante na América Latina da Rede Mundial do Trabalho Sexual (NSWP), a peruana Angela Villón denunciou o “estigma, a discriminação e a desvalorização da prostituição”, apontando o feminismo, o machismo e a religião entre os responsáveis por isso. “Há movimentos feministas que fazem o discurso de que o trabalho sexual é resultado da opressão dos homens e que, portanto, somos vítimas, metendo isso na cabeça de muitas colegas. Ao mesmo tempo, nos invisibilizam nos informes de feminicídio, resultado do machismo que mata e produz a violência de gênero, esquecendo que também somos mulheres. E tem a questão da religião, de que não vamos entrar no reino dos céus”.

Também dirigente da associação Miluska Vida Y Dignidad, sediada em Lima, Angela destacou ainda a confusão promovida entre tráfico de pessoas e prostituição e indicou o que considera a maior vulnerabilidade das prostitutas: “O grande problema é a violência, mas não do cliente, e sim da polícia, ou de delinquentes que se fazem passar por clientes. Com a violência não podemos fazer prevenção de DST e Aids. Temos que enfrentar antes de tudo a violência”.

Estudo aponta confinamento de políticas

Resultados preliminares da “Análise do contexto da prostituição em relação a direitos humanos, trabalho, cultura e saúde em cidades brasileiras”, apoiada pela Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais e realizada por Abia em parceria com Davida, foram apresentados pela pesquisadora Laura Murray. A primeira fase do estudo foi de levantamento de políticas nacionais e internacionais sobre direitos humanos, HIV/Aids e prostituição, ao lado de um histórico sobre como o Estado tratou esses temas. Isso tudo foi feito por meio da pesquisa de documentos, políticas e projetos de leis, da análise de PAMS e de entrevistas com 47 gestores e técnicos do Executivo federal, representantes de agências internacionais, consultores legislativos, senadores e deputados.

Em relação à saúde, Laura relacionou cinco achados. “Quando se trata da prostituição, saúde é igual a HIV/AIDS, não havendo políticas nacionais de saúde das prostitutas que não sejam dirigidas à prevenção do HIV. Mesmo nesse campo, a análise dos PAMS estaduais e municipais apontou poucas ações para essa população – em menos da metade dos municípios habilitados para receber dinheiro dos PAMS; e, durante a vigência do Plano de Enfrentamento da Feminização da Aids, de 2007 a 2009, um volume de ações nos PAMS estaduais e municipais de apenas 4,1%.”.

O terceiro achado é o de que, embora estudos mais recentes indiquem redução da prevalência do HIV entre prostitutas, a diferença entre a prevalência em prostitutas e mulheres da população geral não se alterou significativamente, mantendo-se 10 vezes maior nas primeiras. Outro achado da primeira fase do estudo aponta que as políticas de HIV/Aids para prostitutas se dão de forma isolada em relação aos outros departamentos do Ministério da Saúde, assim como a outros setores do governo, embora a interssetoralidade seja uma demanda das prostitutas já reconhecida em consultas latino-americana e brasileira e na Agenda Afirmativa das Prostitutas no Plano de Enfrentamento da Feminização.

Ainda na saúde, a integrante da equipe da pesquisa disse que houve um efeito paradoxal no período em que o setor federal de Aids assumiu um posição clara de defesa dos direitos das prostitutas. “Por um lado, foi sem dúvida positivo; mas, por outro, teve o efeito colateral perverso de fazer com que os demais setores do Executivo não tratassem diretamente do tema, pois cristalizou-se a ideia de que prostituição é um assunto da Aids”. Laura Murray não deixou de citar a inclusão da categoria “profissionais do sexo” na CBO, do Ministério do Trabalho, mas destacou que não se identifica, atualmente, nenhuma ação ou intenção de ação relacionada à promoção da profissão nessa pasta.

Já os achados sobre direitos são, até aqui, os seguintes: predomina silêncio em relação a ações de promoção de cidadania e direitos das prostitutas em quase todos os setores de governo, prevalecendo a disseminação e absorção mais rápida de parâmetros de criminalização e vitimização, evidenciados na atuação concentrada nos campos do enfrentamento ao tráfico de pessoas e da exploração sexual de crianças e adolescentes. E isso ocorre “ao mesmo tempo em que normas e diretrizes internacionais construídas na intersecção entre saúde e direitos humanos preconizam claramente a descriminalização do HIV e da prostituição”.

Nesse contexto, finalizou a representante da equipe do estudo, “as políticas relacionadas aos direitos das prostitutas estão soterradas por essas outras linhas de ação do Estado, muitas vezes parecendo produzir, em vez de reduzir, vulnerabilidades à violência e ao HIV/Aids”.

Debate

Aberto pela moderadora Elisiane Pasini, do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, o debate afiou ainda mais a Conversa. Gestoras de Aids em municípios dos estados do Rio e Espírito Santo defenderam os “consultórios na rua” para prostitutas, estratégia que vem sendo alvo de acalorado debate dentro do próprio governo. Segundo elas, o sistema incentiva as mulheres a frequentarem os centros de testagem e aconselhamento (CTAs). Já a consultora Lilia Rossi quis saber se havia alguma recomendação do estudo apresentado a partir da constatação de que a atuação do setor federal de Aids inibiu outros segmentos do governo em relação à prostituição.

Gabriela Leite voltou a questionar a vitimização e a associação de prostituição com doenças, especialmente as que têm origem “da cintura para baixo”, diante das intervenções das gestoras. “Não é o sistema de saúde em geral que vocês querem que as prostituas frequentem; são os CTAs. Por que não põem esses consultórios na rua para as mulheres donas de casa? Será que elas vão aos CTAs? Acabamos de apontar uma série de vulnerabilidades da prostituição, como viver em ambientes de trabalho sem respeito aos direitos humanos, sem vasos sanitários. Isso é vulnerabilidade. Não é ser puta. Falamos, falamos e parece que ninguém ouve”.

Ela ressaltou ainda que a pesquisa busca demonstrar “o que o Estado brasileiro está pensando sobre nós”. Deu como exemplo a Secretaria de Direitos das Mulheres, “que não quer saber de prostituição com o argumento de que não há unanimidade no discurso do movimento e por conta das criancinhas que sofrem exploração sexual”. O que se pretende, disse Gabriela, “é fazer um discurso político, para o qual a academia é fundamental, ao desvendar uma série de questões”. E concluiu: “O Estado brasileiro tem que ser criticado, sim, pelo movimento social. Muitas vezes ele se pensa o próprio movimento social. O diálogo está suspenso, mas não parado. Se esta mesa valer para isso, terá sido ótimo. Vamos continuar o diálogo”.

Um incentivo a esse diálogo, de acordo com Laura Murray, pode já ter acontecido por meio das entrevistas promovidas pelo estudo em Brasília. “Notamos um certo silêncio, mas não falta de interesse. Uma discussão interessetorial pode ter sido provocada”. Ela adiantou que uma das recomendações do estudo será a de tratar do tema indústria do sexo, “que está silenciado”. E emendou: “A resposta brasileira à Aids sempre considerou cidadania e direitos como fundamentais. Agora é preciso provocar o debate de novo. E não é tão difícil. Além de dizer que o preservativo é fundamental, também é preciso dizer que a descriminalização é fundamental, ver isso como um discurso de prevenção. Serviço de saúde não é apenas a saúde do corpo”.

O apagamento da questão dos direitos em políticas ligadas à prostituição “é ainda mais estrutural e não pode ser desvinculado do soterramento dos direitos humanos na Aids, em geral”, alertou Sonia Correia, da Abia. Ela lembrou que o governo apresentou recentemente a sua revisão periódica universal para o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas e não incluiu o HIV. “Portanto, para o governo, HIV não é uma questão de direitos humanos”.

Socióloga do Programa de Aids do Estado de São Paulo, Nina Laurindo elogiou a Conversa Afiada, por “reviver debates que havia na década de 1990 e que pareciam ter acabado”. E resumiu assim esse período: “Houve um retrocesso, os companheiros da Aids estão todos muito pautados em camisinha e teste, e não em direitos, violência, cidadania. Todos os projetos se denominam de ‘prevenção de DST/Aids e direitos das prostitutas’, mas não há essa discussão de fato”.

A moderadora Elisiane Pasini, do Departamento de Aids, encerrou a Conversa Afiada: “Precisamos avançar, ouvindo todas as vozes. Essa mesa foi feita com a intenção de que a gente possa trazer essa discussão novamente e acreditar nesses direitos humanos que estamos construindo”.

Estréia Festival Femina

Publicado em by admin Publicado em papos da gabi |

 

Papos da Gabi

Publicado em by admin Publicado em papos da gabi |

Papos da Gabi pretende ser um espaço compromissado/descompromissado com os assuntos e questões do dia-a-dia sem amarras politicamente corretas. Tanto o último penteado da Presidente Dilma, como as peripécias da Carminha na novela das nove e, claro, questões sobre a prostituição no Brasil e no mundo serão objetos dos meus papos.
Me aguardem a partir do dia 1 de setembro…

Beijos a todo mundo!!!!